Categorias

Resenha - Dumplin' - Julie Murphy

Ano: 2017 / Páginas: 300
Idioma: português
Editora: Valentina

Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação. Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre. Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo... até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular... e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

Nesse livro nós conhecemos Willowdean Dickson, mais conhecida como Dumplin' pela sua mãe, uma ex-miss. Willowdean é uma gorda assumida, ela sabe o corpo que tem e não se importa com isso. Will começa a trabalhar em uma lanchonete de fast-food e lá conhece Bo, logo ela se sente atraída por ele, mas é surpreendida quando descobre que a atração é recíproca.

Will achava que se relacionar com Bo aumentaria sua autoestima, mas tudo acontece ao contrário. Quando percebe que sua vida está indo por água baixo, Will resolve se inscrever no Concurso Miss Jovem Flor do Texas, junto com três amigas nada convencionais. Elas querem mostrar a todos que padrão nenhum é capaz de desmerece-las. 

Dumplin' foi uma grande surpresa pra mim, eu já disse por aqui que livros com a temática de Dumplin' sempre me agradam muito, por eu ter lidado com os mesmos problemas na adolescência, mas eu não esperava que o livro fosse se encaixar tanto comigo.




Eu sempre fui gordinha e sempre tive uma autoconfiança enorme, assim como Will. Mas sempre tem aquelas pessoas que querem te colocar pra baixo né? Will foi a descrição perfeita de tudo o que eu já fui e sou. Foi como ver uma parte da minha vida nas páginas de um livro.

Julie Murphy tem uma narrativa incrível e eu fiquei presa ao livro do começo ao fim, foi uma leitura muito rápida e deliciosa. Amei Will e toda a força que ela tem para enfrentar os problemas, principalmente em casa, sua mãe é uma ex-gordinha e ex-miss, e vive querendo que Will emagreça e entre nos padrões exigidos pela sociedade, mas Will apenas quer viver a sua vida e se sente bem do jeito que é. Em diversos momentos eu odiei a mãe de Will, acho que pelo fato da minha mãe ser sempre tão maravilhosa. 

Will tem uma melhor amiga, Ellen, e foi uma relação de amor e ódio, tinha horas que eu detestava as atitudes que ela tomava, mas na maioria das vezes eu fiquei encantada pela amizade das duas. Ellen foi uma personagem de destaque e acho que ela merece um livro só pra ela. 

Dumplin' é um livro incrível, com uma linguagem simples e que apesar de parecer ser voltado para adolescentes, eu recomendaria para qualquer faixa etária. Dumplin' é um daqueles livros obrigatórios, que todo mundo deveria ler. 

Só tenho a dizer que esse é um livro muito especial e que nos traz grandes ensinamentos, traz uma visão diferente sobre pessoas obesas e mostra que nem sempre elas são pessoas com baixa autoestima. Dumplin' fala sobre amizade, amor, sobre relacionamento familiar e principalmente sobre o empoderamento de mulheres dora dos padrões. É um livro que quebra todos os paradigmas. Apenas leiam e depois me contem o que acharam. 




Resenha: Guardião? (Spin-off da série Uma Geração. Todas as Decisões) - Eleonor Hertzog


Ano: 2015 / Páginas: 134
Idioma: português
Editora: Mundo Uno Editora

adicione no Skoob
Sinopse: Vida e morteDia e noite
Sombra e luz
A cada verso, seu reverso.
A cada ação, sua reação.
A cada poder... Seu preço!
Seu poder é gigantesco, meu jovem.
Por isso, você é o Guardião.
Na verdade, você é mais do que um simples Guardião.
Mas...
E se o preço do seu poder for a vida de quem você ama?

Resenha - Abominação - Gary Whitta


Ano: 2017 / Páginas: 320
Idioma: português
Editora: Darkside Books

A era medieval é muito mais conhecida por seus mistérios do que por seus registros históricos. Talvez seja melhor assim. Há quem acredite que estaremos mais seguros enquanto não soubermos de toda a verdade. Mas quem disse que as lendas não podem ser mais reais do que você imagina? Abominação reconta um dos capítulos mais sangrentos da história da Inglaterra: as invasões vikings do século IX. Apresentando personagens e batalhas reais, sua narrativa vai muito além do que poderíamos encontrar nos livros de história. Com influências de Lovecraft a Game of Thrones, vem sendo recebido mundo afora como um novo clássico para fãs do gênero. / O reino de Wessex foi o único da Inglaterra que escapou dos invasores nórdicos. Seu rei, Alfredo, negocia um acordo com os bárbaros do Mar do Norte, mesmo sabendo que eles não são adeptos da paz. É preciso estar preparado, a guerra pode recomeçar a qualquer momento. O arcebispo da Cantuária oferece proteção ao reino, através de feitiços descobertos por ele em velhos pergaminhos. O rei só não poderia imaginar que a magia seria ainda mais perigosa que os próprios vikings.

Ambientado na Inglaterra medieval, período repleto de mistérios e pouquíssimos registros históricos, durante a invasão viking, Abominação nos apresenta uma trama cheia de sangue e magia, perfeita para os fãs de fantasia. 

Para proteger o reino contra os nórdicos, o rei Alfredo faz um acordo com o líder dos bárbaros e, por um tempo, tudo parece bem, mas ele sabe que os nórdicos não são adeptos à paz e que essa frágil trégua pode acabar num piscar de olhos. Nesse meio tempo, o arcebispo da Cantuária descobre pergaminhos antigos repletos de feitiços e percebe que tem em mãos algo que pode acabar de vez com os nórdicos. Então, com permissão de Alfredo, ele começa a trabalhar.

"Por nascimento, nenhum homem é maior que outro. Apenas pelos atos."

Os feitiços de Althered, o arcebispo, transformam animais em monstros horríveis, capazes de destroçar dezenas de homens num piscar de olhos, mas os monstros se mostram impossíveis de controlar e Althered está cada vez mais decidido a conseguir controlá-los, o que faz Alfredo começar a se questionar se fez certo ao autorizar aquilo. Talvez a magia seja mais perigosa que os vikings.



O livro é dividido em duas partes; a primeira narra as descobertas de Althered e as consequências disso, e a segunda se passa 15 anos depois, pelo o ponto de vista de Wulfric, um antigo amigo de Alfredo, e Indra, uma jovem guerreira, vivendo sob o desfecho da primeira parte. A primeira parte é a menor, mas é a que traz mais acontecimentos e tem um ritmo de leitura mais acelerado... Já na segunda parte, esse ritmo cai um pouco pela monotonia no começo, mas próximo ao final volta com tudo.

Eu amei a escrita do Gary; ela é ao mesmo tempo densa e fluída... ela consegue trazer tudo que é importante para a trama, fazer bem a ambientação e, ao mesmo tempo, não ser uma leitura cansativa, que é comum na literatura de fantasia. Não sei se por eu estar acostumado a isso, mas não achei o livro tão gore quanto poderia ser, apesar de ter tudo bem descrito.

"A verdadeira coragem não era a ausência do medo, mas fazer o que precisava ser feito na presença não raro paralisante dele."

Gostei bastante também dos personagens, mesmo eles não sendo tão bem trabalhados... Eles não têm personalidades marcantes, nem são muito complexos, mas cumprem bem seus papéis no enredo e não cheguei a odiar nenhum.

E o enredo é maravilhoso! Eu fiquei muito surpreso com os caminhos que a história tomou, apesar de algumas coisas terem sido previsíveis, e achei a história muito criativa... com certeza, nunca tinha lido nada do tipo. E eu amo histórias que se passam nesse período medieval e que tem um pouco de embasamento histórico, e Gary conseguiu mesclar muito bem a realidade com a ficção.

"Até mesmo os guerreiros mais festejados eram tão mortais como qualquer outro."

O que me deixou um pouco chateado, e acho justo comentar aqui para evitar que você, leitor, sinta o mesmo, foi a falsa promessa de uma fantasia viking Sim, tem vikings na história, mas acho que nem em segundo plano eles estão... Eles nem aparecem! O envolvimento deles na história acaba no tratado de paz, e eu fiquei muito chateado com isso, pois esperava uma história decididamente VIKING.

Mas, tirando isso, é um livro incrível; um prato cheio para os fãs de fantasia e histórias cheias de ação e sangue. Poderia melhorar em algumas coisa, mas ainda assim adorei a leitura e com certeza aguardarei por mais livros do autor.

E nem falo nada da edição linda da Darkside, né? Super bem caprichada, em capa dura (capa linda, a propósito) e cheia de sangue. Um dos livros mais bonitos da editora!






Diário em tópicos - Como planejar seu dia-a-dia

Oi gente! Não sei se todos vocês sabem, mas além de cuidar do blog eu também estudo para concursos (vida de uma formada em direito kkkkkk). Para dar conta disso tudo, eu preciso ter uma vida bem organizada e por isso eu sempre anoto tudo o que eu tenho que fazer nos meus planner's. Tenho um planner só para organizar minhas aulas, meus afazeres dos estudos, e também um planner para as coisas pendentes do blog. 




Recentemente a Editora Sextante lançou o livro Diário em tópicos. Um livro que pode ajudar quem não tem muita prática em organizar o dia-a-dia em um planner. Esse livro ensina diversos modos de organizar o planner e como eu comecei a me organizar dessa maneira só recentemente, senti uma curiosidade em descobrir novos métodos. 

Tirei algumas fotos para vocês terem uma ideia de como é. 

Acompanhamento de seriados de TV


 
Eu tenho um caderninho em que anoto as séries que eu estou acompanhando e vou marcando os episódios assistidos. Sim, eu sei que existe um site só pra isso, mas eu prefiro fazer tudo no papel. A foto mostra um exemplo de como você pode fazer para anotar seus seriados. 


Método de uma só página com lembretes adesivos



Esse é um método em que você pode escrever tudo no adesivo e no fim da semana você retira os adesivos e substitui por outros, dessa forma você só precisa de uma única página de planejamento. Nesse exemplo a autora mostra como você pode planejar o jantar da semana.

Grade + Minicalendário

























Meu planner do blog 





















No meu planner do blog eu anoto os livros pendentes de leitura, as ideias de post, as resenhas pendentes e por ai vai. Utilizo canetas coloridinhas para decorar e também washi tapes. 

Planner de Estudos

Esse é o meu planner de estudos.



Acho que é isso gente! Se você quer ter um planner, bujo, bullet jornal e não sabe como começar, o Diário em tópicos vai te dar uma boa noção de como fazer e se você já tem o hábito anotar no planner, ele também vai te dar outras ideias pra deixar tudo mais organizado e criativo. 




Resenha - Esplendor da Honra - Julie Garwood



Ano: 2017 / Páginas: 416
Idioma: português
Editora: Universo dos Livros
Adicione no skoob!

Um guerreiro fascinante, uma dama indefesa e um sentimento arrebatador...


Esplendor da Honra foi o primeiro livro da Julie que eu li e ele que deu o ponta pé e eu me tornasse uma adoradora de romances históricos, medievais e de época. Ambientado na Inglaterra medieval de 1099, a donzela, lady Madelyne, decidida, meio invocada, orgulhosa, sofre na mão do irmão, barão Louddon, (que não tem nada de irmão). Ele é cruel, perverso, capaz de coisas imagináveis em prol do poder. Seu inimigo declarado, barão Duncan de Wexton  conhecido como "o Lobo" ataca as terras de Louddon para vingar sua família de um crime sórdido. Ela sabe da capacidade do irmão em fazer atos cruéis, durante a batalha, o barão é capturado e sentenciado a morte de maneira indigna. Ela sabe que o irmão não tem razão, Madelyne resolve ajudar o inimigo, mesmo acreditando que ele não é tão superior como o irmão. É temido por todos, mas não é um homem cruel. 

Duncan ao contemplar a moça vê uma mulher bonita, decidida, acreditando que o irmão irá a procura de Madelyne a toma como "prêmio", uma nova vingança. No primeiro momento o clima entre os dois não é muito amigável e nem com a família dele. Eles a têm como inimiga. E a vingança está tomando um rumo sem volta. Aos poucos em seu castelo modesto, ele provará a Madelyne ser um homem honrado. E ela em momentos difíceis do livro demonstrará sua força, gratidão e mudará  seu o destino e o daquela família. 



Com o desenrolar do livro eles começarão a se conhecer e Duncan passa admirá-la resolve protegê-la das ações do irmão. Torna-se sua cativa. Só amizade? Claro que não, amores. A paixão entre ambos se tornará inevitável, mas fica a dúvida, eles superarão as diferenças familiares, personalidades e aceitarão essa paixão? E o irmão capiroto? 

Se você for ler espere cenas românticas sensuais e sexuais, esteja avisado(a). Porém são cenas de envolvimento com romantismo, não é algo vulgar só sexual. Se é que me entendem, uma história de amor com sensibilidade, intenso, mas com intrigas, ameaças.

No início Madelyne mostra-se bem ingênua, com o decorrer do livro passa a mostrar o seu valor e sua força. Os dois possuem personalidade forte e não sabem ceder facilmente, paciência não é o forte deles, temos cenas de tirar suspiro e aquele sorriso. E a escrita da Julie é excelente, envolvente, narração ágil e divertida.  Um romance histórico, pois nos remete a um momento da história inglesa, vai lhe cativar assim como foi comigo. 

— Não te atrevas a instruí-lo para me obedecer, Madelyne, senão te juro por Deus que agarro esta tua cabeleira ruiva e a amordaço com ela.
Duncan decidiu que sua ameaça não a tinha deixado suficientemente perturbada. Ela não agia de maneira nem um pouco dócil.
— Como ousas insultar-me? Meus cabelos não são ruivos, e tu sabes disso muito bem. São castanhos — berrou ela. — Ter cabelo ruivo dá azar, e os meus não o são dessa cor.
O que chamou minha atenção ao comprar a primeira versão publicada no Brasil foi a capa. Porém a Universo dos livros merece meus parabéns, fizeram um ótimo trabalho com a nova  fiquei encantada, e olha que a editora sabe fazer capas bizarras. Dessa vez eles acertaram e merecem o reconhecimento. As duas capas são belas e mostra bem o gênero do livro. Outros dois romances da autora que gosto, mas não foi lançado no Brasil: Uma esposa para Nathan e Meu querido Guerreiro, se você ler ou leu esse e gostou, fica minha indicação. Diferente do Duncan, o mocinho de Uma esposa para Nathan é um pirata e do Meu Querido Guerreiro um lorde feudal. 


Nota: