Categorias

Lançamentos de Julho: Editora Arqueiro


Oi pessoal!!!
Chegou a vez dos lançamentos da Arqueiro!
Preparem os bolsos!!!! *-*

Resenha - A Rosa e a Adaga - Renée Ahdieh

Ano: 2017 / Páginas: 366
Idioma: português
Editora: Globo Alt

A esperada continuação de A Fúria e a Aurora, inspirado no clássico As mil e uma noites Sherazade chegou a acreditar que seu marido, Khalid, o califa de Khorasan, fosse um monstro. Mas por trás de seus segredos, ela descobriu um homem amável, atormentado pela culpa e por uma terrível maldição, que agora pode mantê-los separados para sempre. Refugiada no deserto com sua família e seu antigo amor, Tariq, ela é quase uma prisioneira da lealdade que deve às pessoas que ama. Mas se recusa a ficar inerte e elabora um plano. Enquanto seu pai, Jahandar, continua a mexer com forças mágicas que ele ainda não entende, Sherazade tenta dominar a magia crescente dentro dela. Com a ajuda de um tapete velho e um jovem sábio e tempestuoso, ela concentrará todas as suas forças para quebrar a maldição e voltar a viver com seu verdadeiro amor.


Sherazade acreditava que Khalid era um monstro, mas ao se casar com ele e conhecer seus segredos mais íntimos, ela descobriu um homem apaixonado e muito honrado, mas que carrega um fardo de uma maldição que o atormenta. Sherazade foi embora do castelo ao ser sequestrada por um antigo amigo, Tariq, ela agora vive refugiada no deserto com sua família e pessoas que querem fazer mal a Khalid. A nossa jovem heroína vai agora reunir forçar para tentar quebrar a maldição de Khalid e salva-lo do que ainda esta por vir.

Quando todo mundo começou a falar desas duologia maravilhosa e dizer que o primeiro livro era de tirar o fôlego, eu decidi que só que começaria a ler quando os dois livros estivessem publicados e foi o que eu fiz. Assim que terminei a leitura de A fúria e a Aurora, engatei nessa continuação que foi igualmente maravilhosa.

A rosa e a adaga não é um livro tão romântico quanto o primeiro, as cenas entre Sherazade e Khalid diminuíram para dar espaço a mais cenas de ação. Essa continuação é um livro repleto de ação e aventura e por incrível que pareça eu vou ter que assumir que ficou maravilhoso.

Foi muito bom poder acompanhar o crescimento de Sherazade, ver como a magia começa a surgir em seu íntimo e como ela vai aprendendo a lidar com isso. Foi interessante conhecer histórias antigas e mergulhar na cultura árabe. 






























Esse livro tinha cenas tão reais que eu realmente me senti no lugar de Sherazade conhecendo todas as coisas, foi uma sensação inquietante e deliciosa.

A narrativa se mantém, assim como o primeiro, surpreendemente prazerosa e fugaz. Por essa duologia nota-se como Renée é uma exímia escritora, nos apresentando um enredo singular e muito bem conduzido, uma narrativa que prende o leitor ao livro do começo ao fim.

Sherazade é uma heroína de personalidade forte e disposta a enfrentar tudo por aqueles que ama, fui conquistada por seu jeito de não abaixar a cabeça para ninguém, sua força de vencer os obstáculos e não fraquejar, sua delicadeza para lidar com o sofrimento dos outros. Sem pestanejar, digo que ela é uma das melhores heroínas que já encontrei nos livros.

Khalid é outro personagem incrível e quando eu pensava que não poderia me apaixonar mais ainda por ele, isso aconteceu. Foi difícil ver o sofrimento dele por ter que se manter longe de Sherazade, esse personagem despertou em mim todos os sentimentos que o livro carrega, e foi gratificante por sentir tantas coisas.

Por isso, digo, essa duologia não é só mais um material de fantasia, são livros que possuem sua particularidade e se destacam em meio a tantos outros no mercado, Renée te faz mergulhar na cultura árabe com esse enredo inspirado na história de mil e uma noites, é sem dúvidas uma leitura única.

Recomendo muito essa leitura para qualquer pessoa que adora uma fantasia com um toque de romance, tenho certeza que você encontrará o diferencial que, aos meus olhos, fazem desse livro uma leitura ímpar.


Resenha - Six of Crows - Leigh Bardugo

Ano: 2016 / Páginas: 376
Idioma: português
Editora: Gutenberg

A Oeste de Revka, onde Grishas são escravizados e envolvidos em jogos de contrabandistas e mercadores, fica Ketterdam, capital de Kerch, um lugar agitado onde tudo pode ser conseguido pelo preço certo. Nas ruas e nos becos que fervilham de traições, mercadorias ilegais e assuntos escusos entre gangues, ninguém é melhor negociador que Kaz Brekker, a trapaça em pessoa e o dono do Clube do Corvo. Por isso, Kaz é contratado para liderar um assalto improvável e evitar que uma terrível droga caia em mãos erradas, o que poderia instaurar um caos devastador. Apenas dois desfechos são possíveis para esse roubo: uma morte dolorosa ou uma fortuna muito maior que todos os seus sonhos de riqueza. Apostando a própria vida, o dono do Clube do Corvo monta a sua equipe de elite para a missão: a espiã conhecida como Espectro; um fugitivo perito em explosivos e com um misterioso passado de privilégios; um atirador viciado em jogos de azar; uma grisha sangradora que está muito longe de casa; e um prisioneiro que quer se vingar do amor de sua vida. O destino do mundo está nas mãos de seis foras da lei – isso se eles sobreviverem uns aos outros.
Kaz Brekker é um dos mais talentosos ladrões de Ketterdam, a capital de Kerch, e dono do Clube do Corvo. Kaz é contratado para liderar um assalto e evitar que uma poderosa droga caia em mãos erradas e instaure o caos, ele então monta sua própria equipe para prosseguir na missão, Jesper, Inej, Wylan, Nina e Matthias formam um esquadrão bem improvável, mas esses foras da lei vão se mostrar muito grandes. 

Esse foi o meu primeiro contato com a Leigh Bardugo e não vou dizer que fiquei surpresa, porque todo mundo recomenda sem limites qualquer livro dela. Six of Crows nos traz uma narrativa inegavelmente eloquente e viciante, uma vez iniciada a leitura é quase impossível interrompê-la.  

O livro tem um enredo muito original e voraz, e mesmo com a narrativa alternada entre os personagens, não me senti perdida. E foi o que me surpreendeu, porque geralmente eu sempre prefiro a narrativa de um personagem à de outros, contudo Six of Crows foi diferente e eu me peguei envolvida por cada um deles de uma maneira especial. 



Achei, é claro, que os personagens eram muito novos para possuírem tantas habilidade, afinal eles tem apenas dezessete anos e nesse quesito o enredo foi um pouco exagerado, porém esse é um livro de fantasia, então não ficou de todo ruim, até casou com o enredo e os personagens são muito maduros para a idade  e conseguem convencer o leitor. 

Six of Crows é um livro intenso, com um ritmo feroz, muito bem ambientado. Os personagens são complexos e muito bem pensado para conseguir cativar o leitor. Esse não é um livro de altos e baixos, somente de altos, é um enredo repleto de aventura e muitas reviravoltas e até digo um pouco de sorte. Como eu disse, é difícil interromper a leitura. Dessa forma, digo, só comece a ler se tiver tempo disponível. 

Eu não li a outra série de sucesso da Leigh Bardugo, mas todos os comentários que escutei foram no sentido de que Six of Crows supera qualquer outro livro da autora, então fiquei satisfeita por ter começado do lugar certo. 

O livro tem romance sim, louvado seja,  mas o romance não fala mais alto e não tira o foco da história. Além disso, o livro trabalha com outros aspectos, como as falhas de uma sociedade, principalmente a corrupção, que mesmo em seu grau mais baixo, atinge grande parte da sociedade, em como a moral de alguém pode ser corrompida. 

No mais, foi uma excelente leitura, me arrepende de ter demorado tanto para começar essa leitura, que foi muito rápida, terminei em uma tarde. Gente! Sério.... o que foi esse livro? alguém me socorre aqui, um tiro doeria menos. 

Recomendo muito para todo mundo que adora uma boa fantasia. 




Resenha - A Árvore dos Anjos - Lucinda Riley

Ano: 2017 / Páginas: 496
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Trinta anos se passaram desde que Greta deixou de morar no solar Marchmont, uma bela e majestosa residência na região rural do País de Gales. A convite de seu velho amigo David, ela decide retornar ao lugar para comemorar o Natal. Porém, devido a um acidente de carro, Greta não tem mais lembranças da época em que vivia na propriedade, assim como de boa parte de seu passado. Durante uma caminhada pela paisagem invernal de Marchmont, ela encontra uma sepultura no bosque, e a inscrição na lápide coberta de neve se torna a fagulha que a ajudará a recuperar a memória. Contudo, relembrar o passado também significa reviver segredos dolorosos e muito bem guardados, como o motivo para Greta ter fugido do solar, quem ela era antes do acidente e o que aconteceu com sua filha, Cheska, uma jovem de beleza angelical... mas que esconde um lado sombrio. Da aclamada autora da série As Sete Irmãs, A Árvore dos Anjos é uma história tocante sobre amores e perdas, sobre como nossas escolhas de vida podem tanto definir quem somos como permitir um novo começo.
Árvore dos Anjos conta a história de Greta, que retorna ao solar Marchmont após ter deixado de morar lá há trinta anos. Ela recebe um convite de seu velho amigo David para passar o natal no lugar que lhe traz tantas lembranças. Greta sofreu um acidente há muitos anos e perdeu a memória, ao retornar a Marchmont, em um simples caminhada ela se depara com algo que a faz recuperar uma parte da memória, mas ela precisará da ajuda de David para entender o restante de sua história, e por mais dolorosa que seja, ela precisa descobrir a verdade. 

Primeiramente eu queria dizer que não entendi as inúmeras resenhas que andei lendo, dizendo que o livro era muito emocionante, lindo e de fazer chorar. Eu peguei o livro para ler sem ler a sinopse, mas pelas resenhas que tinha lido, comecei a leitura pensando que seria um romance e não poderia estar mais enganado. 

O livro não tem nada de lindo, nada de fazer chorar, chorar só se foi de medo, já que eu sou medrosa e tive até dificuldade pra pegar no sono depois dessa leitura. 

Árvore dos anjos é sim um livro forte, mas não emocionante ou lindo, ele aborda uma história incrível, de personagens fortes e batalhadores. Greta passa por inúmeras situações difíceis, ela acaba de ficar grávida e o pai da criança se mandou, sem saber o que fazer ela vai sendo levada pelo que a vida a oferece. Ela tenta fazer o melhor pelos filhos, mas nem sempre isso será o melhor de fato. 



O livro tem uma narrativa absolutamente incrível e é agoniante. A história é intercalada ora no presente, ora no passado, nos mostrando tudo que levou Greta a estar na atual situação. Conforme Lucinda ia narrando e nos apresentando a história de Greta, eu ficava cada vez mais agoniada e nervosa com a situação, me perguntando o que eu faria no lugar de Greta. 

Achei incrível mesmo a narrativa da autora, fiquei impressionada com a descrição de várias cenas e em muitas cenas eu fiquei apavorada, com medo REAL, tem uma cenas muito bizarras. A ambientação foi incrível e eu podia me sentir dentro do livro. 

O livro tem sim um "casal" a se surgir, mas nada super romântico, uma vez que o romance não é o foco do livro. 

Apesar de ser um livro com um enredo extenso, a leitura flui muito rapidamente e eu terminei em umas cinco horas de leitura, fiquei a madrugada toda lendo. O resultado final, foi que eu gostei bastante dessa leitura, um livro aparentemente comum, mas com um desenvolvimento curioso e surpreendente. 

Ao terminar a leitura fiquei um bom tempo analisando toda a história e pensando o que a personagem poderia ter feito de diferente para evitar o que de fato aconteceu. Também fiquei com medo da história e relembrando as cenas inquietantes que eu li. 

Árvore dos anjos é sim um livro admirável, mas ao mesmo tempo apavorante. Recomendo o livro para quem adora boas histórias com personagens fortes e um toque de suspense.