Diz aí: O que eu achei de How to get away with a murder


Ai Jesus! Acho que eu não tinha como não vir aqui falar dessa série que andou ocupando minha cabeça nos últimos dias. Tenho um grande amigo que adora essa série e por influência dele ( sempre pego todas as indicações dele) eu resolvi começar a assistir e claro que eu não poderia amar mais. 


How to get away with a murder nos traz Annalise Keating, uma  famosa advogada criminal que é muito boa no que faz, Annalise também é professora na Universidade de Middleton e casada com Sam Keating, um psicólogo e também professor. 

Logo no primeiro dia de aula ela seleciona os cinco melhores alunos da classe para trabalhar com ela no escritório junto com seus outros advogados Bonnie e Frank. Os alunos selecionados são Wes, Connor, Michaela, Laurel e Asher. 

Os jovens devem ajudar Annalise a resolver os casos do escritório e se preciso utilizar de meios nada convencionais. Lidar com os problemas da vida pessoal e com uma professora rigorosa pode levar os jovens ao limite. A vida de todos começa a mudar quando surge um novo assassinato e dessa vez o sangue esta nas mãos deles. 



Essa é uma cena do começo da série e já achei lacrante esse close na Annalise anunciando o nome da aula " Como se livrar de um assassinato". 

A série é completamente viciante, comecei assistir e do nada quando fui dar play no episódio, percebi que eu já estava na segunda temporada. Terminei a segunda temporada ontem e fiquei chocada com o final. 

 

Comecei a assistir a terceira temporada e já estou nervosa com os acontecimentos. A série sempre mistura cenas do presente com algo do passado. Mas dessa vez esta mesclando algo do futuro com o presente.

Antes mesmo de começar a assistir a terceira temporada eu tomei um baita spoiler e já sei que vai morrer, e sinceramente estou morrendo de ódio. Até a metade da segunda temporada eu pensei que não fosse me apegar a nenhum personagem, porém foi impossível. Fiquei apaixonada por cada um dos estudantes, mas ainda mais por Annalise que é INCRÍVEL.

Fiquei super chateada com o rumo que tomou algum dos personagens e espero que aconteça alguma coisa para me tirar desse choque. 

Ai você pode se perguntar: Nossa, mas já tem três temporadas e a série ainda vai continuar, será que ainda tem enredo pra isso tudo... Você não vai se cansar?



NÃO. Absolutamente não!!!! Eu já era complemente viciada nessas coisas de investigação policial e tribunais em julgamento, justamente por isso, segui uma formação nessa área. 

Não sei muitos de vocês já assistiram essa série, mas se ainda não o fizeram, façam! Juto que ninguém vai se arrepender. 

E se você acompanha a série tenho certeza que deve ficar pensando nas investigações assim como eu e maquinando o que ainda está por vir. 

Para quem me disse que a série não era boa....




 Isso é simplesmente sensacional.

Papo cinema - Logan





Em 2029, Logan ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier . Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela, uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 . Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce, interessado na menina.






Fui assistir Logan já que aquele sentimento de desespero por ser a despedida de Hugh Jackman como Wolverine. Na minha humilde opinião, Wolverine e Homem de Ferro são personagens em que os autores que os interpretam são insubstituíveis. 

Logan se passa em 2029, um mundo em que os mutantes estão morrendo e que não nascem mais mutantes, Logan ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do professor Xavier, que devido a idade esta cada vez mais necessitado de cuidados. Em meio a um dia de trabalho, ele é procurado por Gabriela, uma mexicana que precisa de sua ajuda para chegar até a Dakota do Sul junto com a pequena Laura, uma mutante.  

Logan se recusa a ajuda-la, até o momento em que passa a ser perseguido por um mercenário que esta interessado em Laura. 

O enredo como um todo é sensacional, mas ver a decadência de Logan e o sofrimento de Xavier foi de partir o coração, os poderes de Logan estão se esvaindo e  Xavier esta a beira da loucura e com os poderes fora de controle. 



Laura é a grande responsável por nos arrancar boas risadas com seu relacionamento conturbado com Logan. 

O filme é repleto de cenas de ação, muita luta, sangue, mortes e pedaços de corpo voando. Eu sou meio chata pra esse tipo de cena, porque não tenho muito estômago, mas confesso que no filme não foi algo que me incomodasse muito. 

Como eu disse, eu gostei do enredo e acho que ele abre margem para uma nova franquia de filmes ou até mesmo a continuação de X-men. Laura é uma personagem fantástica, de grande poder, inteligente e independente. 



O final não era o que eu esperava e vou dizer que detestei, odeio quando eu passo a exibição toda amando o filme e o final é super pombo. 

Ainda que o final não tenha me agradado, Logan continua na minha lista de um dos melhores filmes de super-heróis, os efeitos especiais estão incríveis e a trilha sonora também. 

O filme é bem extenso, acho que umas 2h20m de duração, porém não é cansativo, o final se aproximava e eu tinha a impressão que o filme anda estava na metade. 

Logan é de deixar sem palavras qualquer fã da franquia e esta mais do que recomendado. 

Resenha – Hard to Fight – Bella Jewel

Ano: 2015 / Páginas: 247.
Idioma: Inglês
Editora: St. Martin's Paperbacks


Grace é uma caçadora de recompensas que quer ser levada a sério, mas seu chefe se recusar a acreditar que uma mulher pode capturar um bandido perigoso. Ela finalmente tem a chance de provar o seu valor quando ganha o caso capaz de mudar uma vida: capturar Raide Knox e entregar ele para as autoridades. Raide é um fugitivo perigoso em fuga... e o homem mais sexy que
Grace já conheceu. Pegar Raide não vai ser fácil. Raide é mais intenso e frustrante do que qualquer homem com quem ela teve que lidar, e a atração instantânea que faísca entre eles é inegável. Uma coisa é certa... esse vai ser um caso que eles nunca irão esquecer.


Vamos começar expondo o que me levou a ler esse primeiro livro da trilogia Alpha’s Heart da Bella Jewel. Primeiro, gosto de livros adultos, segundo, tenham protagonistas decididas, nada bobas e a sedução demorem a ocorrer e ela imponha certa dificuldade para o personagem. E terceiro protagonista que não tenha medo do perigo e exerça as mesmas funções que os homens. 

É o caso da Grace, caçadora de recompensas que deseja e quer ser levada a sério no trabalho, poucos acreditam no seu potencial e agora ela pode e buscar provar capturando Raide Knox, um fugitivo Perigoso. Grace no primeiro momento se mostra decidida, não gosta que duvidem dela, façam joguinhos, ela sabe ser sarcástica.


Raide, minhas amigas, é um caso a parte, cara sexy. A maneira como a autora o introduziu na história detalhou uma coisa e me fez achar que ele não é coisa boa e gerou dúvidas. Se você o imagina facilitando para Grace, enganasse, ele não quer ser capturado (mesmo sendo por uma mulher e tanto). Não teremos luta justa. 

Para complicar o esquema temos atração entre caçador e presa, tornando o livro divertido. Grace é atrevida, respondona, e Raide é o oposto, semblante fechado sempre pronto para desafios. Visualmente Raide é capaz de estremecer estruturas da Grace. Todo misterioso e gostoso.

[...] Ele cruza os braços desafiadoramente, e seus cabelos brancos ralos sopram com a brisa. Ele aperta os olhos azuis gelados e me estuda. – Você é uma menina. Ele diz como se só agora tivesse descoberto esta pequena pepita de informação – Que bela observação, - eu o parabenizo sarcasticamente, cruzando os braços. – Não existem garotas caçadoras de recompensas. [...] 

O trabalho não vai ser fácil, como capturar um homem de um metro e oitenta? Pela descrição associei ao ator Jason Mamoa, só que Raide tem um nariz que parece ter sido quebrado várias vezes e uma cicatriz ao lado esquerda do rosto. Bem sombrio. O modo que ela encontrou para capturá-lo me fez rir, eu já esperava risada e muita loucura. E tive isso. Mas também sabia que esses tipos de livros têm aquela dose de drama e sofrimento. 

Grace vai se envolver na história dele. História essa com recordações boas e ruins. Resta saber se você está disposta a enfrentar tudo com Grace. E quando descobrir valerá o risco? Você terá coragem?


[...] Existe beleza em tudo, moça. Você apenas tem que estar disposto a vê-la. Há beleza mesmo nas coisas que você não pode ver ou ouvir. Você apenas tem que se abrir e deixá-la entrar. Eu estou deixando-a entrar. [...]

A autora trata não só de um possível romance, mas de temas sérios. Como a dificuldade e preconceito que mulheres passam em atividades consideradas tipicamente masculinas. Um exemplo do livro, levou cinco anos para Grace pegar um caso mais sério, dezoito meses sendo ajudante do chefe. Sendo realista, um cara não levaria todo esse tempo.

A autora conseguiu me convencer, eu tinha em mente do que poderia acontecer, porém não foi como imaginava e esperava para o clímax. Valeu a pena. Mas tenho ressalvas:

Fiquei chateada com os dois em alguns momentos e com o passar do livro com o Raide. Não explicarei o motivo, será spoiler. Eu conseguia entende-lo, só que em instantes ele se mostrou mais chato. Porque livros legais as autoras desenvolvem o final tão rápido, não que goste de enrolação, foi final corrido. Temos ação, personagens fodas, enredo divertido e sensual. 

Esse é o primeiro livro de uma trilogia, mas são enredos independentes. Não são com o mesmo casal, porém ainda não li. Segue as capas:




Nota:


Resenha - Juntando os pedaços - Jennifer Niven

Ano: 2016 / Páginas: 392
Idioma: português
Editora: Seguinte

Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby. Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

Jack tem prosopagnosia uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas, ele vê os olhos, a boca, o nariz, os pequenos detalhes, porém ele não consegue unir isso tudo e formar um rosto que ele possa reconhecer, ele não reconhece nem mesmo sua própria família e ninguém sabe disso, justamente por isso ele vive se metendo em confusões. 

Libby já foi a adolescente mais gorda dos Estados Unidos, ela pesava 296kg e passou meses sem sair de casa, até que chegou o dia em que seu pai precisou pedir ajuda. Libby teve sua casa destruída para que ela pudesse sair e de lá pra cá ela perdeu uma centena de quilos e vai finalmente poder voltar a escola. 



Juntando aos pedaços é alternado entre a narrativa de Libby e de Jack e com isso podemos conhecer a história de cada um deles, até que o caminho dos dois se cruzem. Eu comecei a leitura já querendo chorar com a situação de Libby. 

Eu sempre fui uma criança gordinha e também sofri com brincadeirinhas e por isso me identifiquei muito com a história dela e ficava ansiosa pelas partes narradas por Libby, senti o sofrimento dela a cada vez que ela era posta em meio a situações constrangedoras por causa do seu peso.

Eu não tenho muito costume de marcar trechos preferidos em meus livros, mas Juntando os pedaços foi uma leitura tão marcante pra mim que eu senti a necessidade de destacar algumas passagens preferidas, para posteriormente reler. 



Tenho o livro Por lugares incríveis da Jennifer Niver mas ainda não tinha começado a ler, decidi começar por sua nova publicação e sinto que amarei todos os livros dessa mulher, é incrível como ela entende o universo adolescente e é capaz de expor as inúmeras dificuldades que vivemos nessa fase da vida. Jennifer nos apresenta um enredo duramente real, mas que as vezes o tão esperado final feliz pode aparecer.

Juntando os pedaços é um daqueles livros em que a leitura deveria ser obrigatória, esse livro mostra que cada decisão que você toma sem pensar no próximo, pode gerar consequências irreversíveis e dolorosas. Libby é uma menina muito forte, eu no lugar dela não sei se teria aguentado passar por tantas coisas e foi bom poder ver que tudo o que ela passou só a fortaleceu ainda mais. Contudo, sabemos que todo mundo tem o seu ponto de ruptura certo?

Esse é um livro maravilhoso e me deixou completamente sem palavras, gostei de como a Jennifer aborda duas questões sérias de um jeito simples para facilitar a compreensão dos leitores de diferentes idades. 


Libby com certeza foi uma das melhores personagens que eu já conhecei e Jack não fica atrás. Eu ficava agoniada por Jack enfrentar sozinho todos os problemas, no lugar dele eu já teria me aberto com a minha família. Também amei o irmão mais novo do Jack, ele é um protagonista a parte e eu me peguei desejando um capítulo dele. 

Eu decidi não ler esse livro correndo, separei um número de páginas para ler esse livro, porque eu não queria que acabasse logo e quando acabou eu gostaria de começar tudo novamente. 

A capa é incrível e a editora esta de parabéns pela revisão. 






Lançamentos Editora Rocco




Oi gente! Já estamos na metade do mês de Março, mas ainda da tempo de conferir os lançamento da Editora Rocco para esse mês. Selecionei os lançamentos que mais se encaixam ao perfil do blog e espero que vocês gostem.



Destemidas, solitárias, trapaceiras, pouco confiáveis... Seja em fábulas ou ditos populares, o imaginário coletivo não tem sido muito generoso com as raposas. A inglesa Inbali Iserles, uma autora premiada e apaixonada por animais, convida os leitores a conhecer melhor esses seres incríveis com a série Foxcraft, uma emocionante trilogia de fantasia protagonizada por uma raposa filhote. Isla vive nos limites das terras dos sem-pelo (os humanos) e está começando a desenvolver suas habilidades. Um dia, ao retornar para sua toca, ela está em chamas e cercada por raposas estranhas. E sua família não está em lugar nenhum. Forçada a fugir, Isla escapa para o frio e cinza mundo dos sempelo e é caçada por um inimigo cruel. Para sobreviver e encontrar sua família, Isla precisará dominar a antiga arte das raposas – poderes mágicos conhecidos apenas por elas – e desvendar os segredos da Foxcraft.


Após um acidente aéreo, uma garota é encontrada ilesa e sem memória em meio aos destroços em pleno oceano Pacífico. Ela não estava na lista de passageiros da aeronave e seu DNA e suas impressões digitais não são reconhecidos em nenhum lugar do mundo. Sua única esperança é um garoto estranho e sedutor que afirma conhecê-la, e que eles eram apaixonados um pelo outro. Mas será que ela pode confiar nele para recuperar seu passado e descobrir quem ela realmente é? Inesquecível é o primeiro volume de uma trilogia romântica com tintas sci-fi. A autora, Jessica Brody, que tem outros livros publicados no Brasil, como A amante infiel e Karma Club, constrói uma história de amor apaixonante e repleta de elementos de ficção científica e de suspense
Fanfiction inspirada no fenômeno Minecraft, um dos jogos mais vendidos do mundo, a série Crônicas de Elementia começou a ser escrita por Sean Fay Wolfe quando ele tinha apenas 16 anos. Fanático pelo game que conquistou crianças e adolescentes, o autor criou uma aventura eletrizante ambientada no universo Minecraft protagonizada por três jovens jogadores que se veem envolvidos numa luta contra o mal no servidor Elementia. No segundo livro da série, a paz conquistada pelo presidente Stan após uma batalha épica está ameaçada. Uma dissidência vem se espalhando pelo interior e os seguidores do Rei Kev formam uma nova organização. Depois de Missão justiça, novos perigos e desafios surgem no horizonte para Stan, seus amigos e para os leitores em A nova ordem.


Depois de Harry Potter e a Pedra Filosofal, é a vez de Harry Potter e a Câmara Secreta chegar às prateleiras em edição ilustrada e capa dura. Cenas de tirar o fôlego, momentos tensos da trama e personagens inesquecíveis esperam os leitores nesta edição mágica que traz o texto integral de J.K. Rowling e desenhos do premiado Jim Kay. Com tinta, papel e pixels, o ilustrador britânico cria um mundo encantado como nunca antes visto para acompanhar o segundo ano de Harry Potter na Escola de Magia de Hogwarts.




No segundo volume da série Os Reinos de Nashira, a jovem Talitha, obrigada a assumir o lugar da sacerdotisa Lebitha, sua irmã mais velha morta repentinamente, tem como missão salvar o reino de Nashira da iminente catástrofe anunciada por uma profecia milenar. Mas, para isso, ela terá que escolher entre cumprir o papel que lhe foi imposto por seu pai, o cruel conde Megassa, ou lutar ao lado dos rebeldes que se insurgiram contra a tirania imposta por ele, desafiando a sua raça e o seu passado. Com uma ficção mágica, ambientada num mundo ricamente construído formado por árvores gigantescas que abrigam cidades em suas copas e troncos, a italiana Licia Troisi mostra mais uma vez por que é uma excepcional contadora de histórias e um dos principais nomes da literatura de fantasia em seu país.



Diz aí qual livro vocês gostaram mais :)