Resenha: Nosferatu


Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580412970
Ano: 2014
Páginas: 624
Tradutor: Fernanda Abreu
Sinopse: Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem.
Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor.
E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie.
Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic.
Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.

Resenha por Fernanda Faria



Victoria McQueen tinha um misterioso dom: com a bicicleta que ganhou de presente do pai, ela conseguia atravessar uma antiga ponte e chegar a lugares inusitados; sempre que ela procurava por algo, bastava atravessar a Ponte do Atalho, que ela o encontrava.

Charlie Manx tinha um dom parecido; com seu Rolls-Royce, ele viajava para um lugar que aparentemente não existe, ao qual ele intitula de Terra do Natal. O único problema é que Charlie Manx gosta de seqüestrar crianças, que nunca mais são vistas e nem seus corpos encontrados; até então, nunca ouve uma prova contra ele e nada o impede de cometer seus crimes.

Tudo muda quando Vic atravessa a Ponte do Atalho em busca de encrenca e acaba na casa de Charlie Manx; tentando fugir do estranho homem, Vic acaba presa na casa durante um incêndio. Quando finalmente consegue fugir, ela pede carona a um motoqueiro e tenta deixar para trás tudo o que viu. Pouco tempo depois, Charlie Manx queima vivo um homem num posto de gasolina e acaba preso.

Os anos se passam e Vic se casa e tem um filho, escreve livros infantis e passa um certo tempo num hospício, tentando acreditar que nada daquilo era verdade; a ponte, o garoto morto com Charlie, a Terra do Natal ou as ligações misteriosas que recebia de lá.

Mas Charlie Manx não se esqueceu dela. A mídia começa a noticiar sobre a morte do serial killer e do suposto desaparecimento do corpo e pouco tempo depois as coisas começam a ficar estranhas para Vic. Charlie Manx realmente está de volta? Ele irá em busca do filho de Vic? Vic foi a única criança que já escapou de Manx, e é a única que pode detê-lo.

De forma excepcional, meu segundo contato com Joe Hill se mostrou bem prazeroso. Eu gostei muito de O Pacto (Amaldiçoado, na minha edição), e gostei mais ainda de Nosferatu. Já disseram que Nosferatu é Joe Hill em sua essência, no ápice do seu talento. Talvez seja verdade.

Primeiro gostaria de dizer o quanto achei o enredo complexo e interessante. O estilo de Joe Hill é sempre inovador e em Nosferatu não foi diferente; o autor criou um clássico do terror, com uma trama criativa, personagens fortes e uma narrativa tão forte quanto. Todo o enredo é bem criativo, real e fantasioso ao mesmo tempo. Nesse ponto, não tenho nada a reclamar.

Os personagens, como já comentei, são bem reais e fortes; não esperem personagens perfeitos, heróicos nem nada do tipo. Victoria McQueen é como nós, cheia de defeitos e bastante chata na maior parte do tempo. Já Charlie Manx é tão terrível e calmo ao mesmo tempo que chega a ser assustador.

O único ponto negativo que vi no livro foi seu tamanho; são mais de 600 páginas de história e achei algumas cenas desnecessárias, do tipo que não fariam diferença estarem ou não ali mesmo! Fora isso, achei o livro incrível.

Para quem gosta de terror, de livros do mestre King (pai do Hill, até), Nosferatu é um prato cheio. Para quem quer um primeiro contato com o gênero, o livro também é uma boa pedida. Muito suspense, boa escrita, história instigante e uma mescla com fantasia fazem desse livro uma obra prima do terror contemporâneo.


2 comentários

  1. Oi Feh!

    Este livro esta na minha lista de desejados desde quando saiu! Só não sabia que era tão grande... mesmo assim, quero conferir essa obra!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma relação de amor e ódio com King, o filho dele parece ser a mesma coisa. Pela resenha fiquei com vontade de ler, acho que meu cartão já vai ser usado ha ha.

    devoradores2livros.blogspot.com.br

    Um xero.

    ResponderExcluir

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D