Resenha // A Irmã da Tempestade - Lucinda Riley

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580414776
Ano: 2015
Páginas: 528
Tradutor: Fernanda de Abreu

Em "A irmã da tempestade", segundo volume da série As Sete Irmãs, as vidas de duas grandes mulheres separadas por gerações se entrelaçam numa história sobre amor, ambição, família, perda e o incrível poder de se reinventar quando o destino destrói todas as suas certezas. Ally D’Aplièse é uma grande velejadora e está se preparando para uma importante regata, mas a notícia da morte do pai faz com que ela abandone seus planos e volte para casa, para se reunir com as cinco irmãs. Lá, elas descobrem que Pa Salt – como era carinhosamente chamado pelas filhas adotivas – deixou, para cada uma delas, uma pista sobre suas verdadeiras origens. Apesar do choque, Ally encontra apoio em um grande amor. Porém mais uma vez seu mundo vira de cabeça para baixo, então ela decide seguir as pistas deixadas por Pa Salt e ir em busca do próprio passado. Nessa jornada, ela chega à Noruega, onde descobre que sua história está ligada à da jovem cantora Anna Landvik, que viveu há mais de cem anos e participou da estreia de uma das obras mais famosas do grande compositor Edvard Grieg. E, à medida que mergulha na vida de Anna, Ally começa a se perguntar quem realmente era seu pai adotivo.



A Irmã da Tempestade é o segundo livro da série As Sete Irmãs que teve o seu primeiro livro lançado pela Editora Novo Conceito e agora terá suas continuações pela Arqueiro. Essa série conta a história de Pa Salt que adotou seis meninas, cada uma delas tem uma origem diferente e cada livro conta a história de uma delas.

Em A Irmã da Tempestade vamos conhecer a história de Ally D’Aplièse, a segunda das irmãs, uma velejadora profissional, apaixonada pelo mar assim como o pai, Ally esta no melhor momento da sua vida, vai participar de uma importante regata e esta perdidamente apaixonada por Theo, o capitão da embarcação, nada poderia estar saindo melhor do que a encomenda, até que ela recebe a notícia do falecimento do seu pai adotivo. 

Com a morte do pai, cada irmã recebe uma carta com pistas e instruções que podem leva-las a descobrir sobre suas verdadeiras origens, cada uma tem a opção de procurar ou não sobre o passado e Ally resolve não remexer no que já foi esquecido. Ela pretende encontrar em Theo a força para superar toda a dor que seu coração esta sentindo. Mas por força do destino Ally se vê novamente no chão. 

Com a cabeça a mil e sem saber mais o que fazer, Ally decide ir atrás do seu passado e acaba desembarcando na Noruega. Por lá ela acaba investigando e descobrindo que sua história está ligada a da cantora Anna Landvik que viveu por ali há mais de 100 anos. 

Essa aventura vai proporcionar a Ally muitas descobertas e a chande de refazer a sua vida, parece que o destino esta lhe proporcionando uma nova chance e ela vai agarrar com todas as forças.





Esse é o segundo livro da Lucinda Riley que eu tive o prazer de ler, de fato eu tive acesso aos outros livros, mas acho que o grande número de páginas sempre me assustava um pouco. Com medo de um enredo arrastado, acho que sempre posterguei a leitura dos livros fantásticos que essa mulher é capaz de criar. 

Talvez eu tenha começado a me aventurar nos enredos de Lucinda Riley pela série correta, é tudo tão apaixonante e devastador que eu me joguei de cabeça em uma história incrível, com uma narrativa deliciosa e suave. 

A Irmã da Tempestade é narrado em primeira pessoa pela Ally e intercalada com algumas histórias sobre Anna em terceira pessoa. O livro tem a narrativa alternada entre o presente o passado, mais precisamente em 1875.





Admiro muito quando um autor tem a capacidade de criar personagens tão fortes e corajosos como é Ally e Anna. As mulheres são fascinantes, determinadas, corajosas e que não se deixam abalar pelos rumos que o destino toma, não importa o quando a vida as derrube, elas sempre conseguem superar com a cabeça erguida, mesmo em épocas diferentes elas são tão semelhantes e ao mesmo tempo tão ímpares.

Quando comecei o livro eu não estava preparada para me afundar tanto em uma história, não tinha me preparado para tantas emoções e por diversas vezes me peguei á beira de lágrimas, muitas para ser sincera. Acredito que esse livro, acima de tudo, fale sobre esperança, sobre acreditamos nas novas chances que a vida pode nos dar, como as coisas podem estar ruins em um momento e como podem melhores logo depois, basta ter confiança que o melhor ainda esta por vir. 

Fiquei encantada com o cuidado da Lucinda Riley com a ambientação, foi encantador conhecer um pouco mais da cultura Norueguesa que é tão pouco explorada em outros livros. Cada detalhe que a autora deu foi importante para que compreendêssemos toda a mágica e beleza do livro. Além disso, todos os personagens foram muito bem pensados e delineados pela autora, cada um ganhou um cantinho especial no meu coração, eram todos tão reais, palpáveis que foi impossível não sentir que conhecia a todos.






A transição entre passado e presente é feita de um modo muito agradável, de forma que não deixasse o enredo arrastado ou destoante, a transição acontece de um modo muito gradativo e aos poucos você vai notando os pontos de ligação entre as histórias. 

Por fim, acredito que só devo ressaltar o quanto é um livro especial, inclusive gostei mais do que o primeiro. É um livro doloroso e ao mesmo tempo caloroso, acolhedor, cheio de esperança e magia nos pequenos detalhes. Com uma narrativa esplêndida, Lucinda promete conquistar até mesmo o mais exigente dos leitores. 








6 comentários

  1. Oii Fê, tudo bem?
    Já li dois livros da Lucinda e fiquei encantada.Tenho o primeiro livro dessa série e tenho certeza que vou começar a ler hoje mesmo!!!
    Beijos!
    Katrine Bernardo

    ResponderExcluir
  2. Oi Feh!

    Eu amo a capa deste livro! Acho linda demais! Mas, mais uma vez, como vc, tbm tenho medo da narrativa arrastada e do grande número de páginas!

    Enfim, espero ter a oportunidade de lê-lo, pois gostei muito da sua resenha!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  3. Olá!!! Que capa linda desse livro... Muitas vezes realmente entramos a fundo na história e quando vemos, parece que fazemos parte dela... Vou tentar ler esse livro em breve... Beijos...

    ResponderExcluir
  4. Adorei as características de Ally, ela é forte, determinada e corajosa. O primeiro livro da série já está na minha meta de leitura desse ano, espero poder lê-lo em breve. Gostei bastante da resenha sobre A Irmã da Tempestade, até porque, eu não conhecia muito bem a série. Ah, e do jeito que sou, já me imagino me envolvendo e chorando durante a leitura :)

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que livro lindo! Eu adoro essas coisas diferentes, e livros nos quais as mulheres têm um papel forte e são fortes, sabe? Isso de ser uma parte no séc XIX e de explorar outra cultura que não é tão conhecida é muito interessante! Entra na lista de leitura, assim que eu tiver tempo pra ler hahah beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nenhum livro da autora e pelos elogios na resenha deve ser muito bom. Nossa fiquei curiosa com o passado do pai dela por ter adotado seis meninas não é para qualquer um, deve ter um mistério por trás dessa adoção.

    ResponderExcluir

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D