Resenha // O que há de Estranho em mim - Gayle Forman

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580414806
Ano: 2016
Páginas: 224

Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.



Brit é uma adolescente de 16 anos, sua mãe foi afetada por uma esquizofrenia e faz alguns anos que teve um surto e sumiu. Seu pai se casou de novo e Brit não suporta a madrasta, por isso ela faz de tudo para ficar fora de casa, ela toca em uma banca e aproveita os shows para não ter que olhar para a cara da madrasta, Brit se tornou uma espécie de rebelde, ela responde seu pai e sua madrasta de maneira insolente e grosseira. O resultado disso é que seu pai acha que Brit precisa de ajuda e ela acaba indo para em uma espécie de instituição para garotas problemáticas e lá foi diagnosticada com transtorno desafiador opositivo.

Aos poucos Brit começa a perceber que a clinica é um tanto quando diferente, só é possível sair da Red Rock se você completar todas as etapas do programa, ou quando fizer dezoito anos. O grande problema é conseguir completar esses níveis, a instituição exige coisas absurdas, como denunciar colegas. Na Red Rock as internas são obrigadas a trabalhar, são torturadas e vivem em condições absurdas. Brit acaba se unindo a outras meninas para buscar algo melhor, para quebrar o sistema  e fazer com que seus pais percebam que não há nada de errado com elas. 





























Eu sempre gostei muito dos livros da Gayle Forman, porque ela consegue mexer com os nossos sentimentos de uma forma única e por isso que comecei a leitura com grandes expectativas, mas infelizmente acho que elas não foram superadas, ficaram aquém do que eu imaginei. 

Brit é uma personagem muito bem construída e na minha opinião ela foi o ponto mais positivo do livro, eu senti das dores dela e sua confusão em tentar entender tudo o que acontecia em sua cabeça. Ela é uma menina muito ressentida com o pai e tem motivos, parece que o pai acha que o sumiço da mãe de Brit afetou só a ele, acredito que ele tenha se esquecido que uma menina ficou sem a mãe  e sofrendo tudo, ele só pensou nele, se casou com uma pessoa que não gosta da sua filha apenas para não ficar sozinho. 



A instituição é um horror só, as meninas são obrigadas a passar por tanta coisa que eu sinceramente fico pensando como elas não enlouqueceram de verdade depois desse 'tratamento' da clínica. Eu fiquei irritada com o pai da Brit e desculpem o uso da palavra, mas esse senhor era uma 'mula', sinceramente. 

A narrativa de Gayle continua maravilhosa e viciante como sempre foi, eu não sei como ainda me surpreendo como ela nos consegue prender à historia de uma forma incrível, é como se fossemos puxados para o enredo e vivemos a vida dos personagens. Foi realmente um livro intenso, profundo. 

Contudo, poderia ser melhor, poderia ser muito melhor. Acho que o livro foi curto demais para um enredo tão bom e acabou que Gayle focou em coisas desnecessárias e algumas partes ficaram corridas ou com buracos, faltando alguma coisa. 



Eu não gostei muito dos personagens secundários, acho que esse também pode ter sido um dos motivos pelo qual eu não achei o livro um cinco estrelas. Acredito que eu estava acostumada a me apaixonar pelos personagens secundários, como aconteceu nos outros livros da Gayle.

Realmente falta muito para seu um livro excelente, mas nada tira o mérito que é um livro único. 

A revisão da editora ficou ótima e a capa é linda demais, tem tudo a ver com o contexto do livro. 


11 comentários

  1. Oi feh!

    Infelizmente, mesmo com sua resenha maravilhosa, não consigo ler mais nada desta autora. Me decepcionei tanto com Se eu Ficar, que não pretendo dar mais chance para outros livros.... :/

    Mesmo assim, gostei da sua resenha, mas passo, com certeza!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. O tema abordado é interessante, li que essas instituições existe em outro País ou Países não lembro. É triste os paia colocarem seus filhos em um lugar assim, por acharem que eles são diferentes, deve ser um drama e tanto pelos horrores que a protagonista e os outros personagens devem passar neste local. Não sei se leria o livro por ter lido Se eu ficar e sequencia e não ter me agradado.

    ResponderExcluir
  3. OI, Fernanda!
    Uma pena que o livro não foi tudo que você esperava. Ainda não li nada da autora para fazer comparações, mas imagino que você ficou esperar gostar como nos outros livros. Partes corridas e ainda com buracos, é algo que nunca me agrada. Gostei de saber sua opinião.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Fefa estou muito curiosa para ler esse livro, e depois da sua resenha fiquei mais intrigada, li somente um livro dessa autora que tem o dom de mexer com o psicológico! Bjkas

    ResponderExcluir
  5. Oi, Fê! Como vai? Eu nunca me atraí muito pelos livros da Gale, mas fiquei atraída por esse daí. Mas nossa, aí você chega e diz que o livro não correspondeu às suas expectativas... Olha, vou confiar em você e vou desistir desse livro! Mas me indica outro dela que você acha que eu vá gostar?
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Bem, não tenho muita base pra falar da autora, visto que só ali Se Eu Ficar dela, porém, eu gostei bastante da maneira que ela escreve - além de sua temática diferenciar um pouco do que é tão comumente abordado por aí. Logo, quero ler ele sim! As vezes ir com as expectativas menos altas à leitura ajuda. Beijinhos, adorei sua resenha :*

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Bem, não tenho muita base pra falar da autora, visto que só ali Se Eu Ficar dela, porém, eu gostei bastante da maneira que ela escreve - além de sua temática diferenciar um pouco do que é tão comumente abordado por aí. Logo, quero ler ele sim! As vezes ir com as expectativas menos altas à leitura ajuda. Beijinhos, adorei sua resenha :*

    ResponderExcluir
  8. Olá... tudo bem???
    Eu acho o título desse livro a coisa mais linda e sugestiva e hoje pela manhã... li uma resenha mega positiva sobre ele, porém, é uma pena que ele não tenha te cativado da forma que esperava e você tenha se decepcionado um pouco... mas eu tenho pretensão de ler, porque a proposta aos meus olhos pareceu bem interessante... xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi...

    Confesso que ainda não li nada de Gayle Forman (que vergonha né...). Tenho vistos muitos comentários interessantes sobre esse livro e estou com muita vontade de ler...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Oi Fefa, tudo bom?
    Só li um livro da autora e achei mediano. Por causa disso, quero conhecer as outras obras dela. Esse livro realmente parece ter uma premissa interessante e que gera muitas possibilidades, mas é uma pena que a autora não tenha explorado todo o potencial da narrativa. Também não gosto de me conectar com os personagens secundários porque eles compõem a história com os protagonistas.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi fê, tudo bem?
    Então... li Se eu ficar e não foi um livro que me prendeu muito!
    mas gostei de sua resenha... "mas esse senhor era uma 'mula', sinceramente." eu ri demais!

    Só tenho um livro dela, então não posso dar mais palpites, mas a resenha foi ótima, deu pra ter uma ideia geral do livro!

    ResponderExcluir

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D