Resenha - Rebelde - Amy Tintera

Edição: 1
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501401106
Ano: 2016
Páginas: 352

Wren Connoly acreditou que seu lado humano tivesse ficado para trás no instante em que ela morreu... e voltou à vida como Reboot em surpreendentes 178 minutos. Com uma força extrema e treinada para ser o soldado perfeito, Wren precisou fugir da CRAH, Corporação de Repovoamento e Avanço Humano, para salvar Callum 22, o rapaz que lhe mostrou ser possível ter emoções, compaixão e até amor, sendo Reboot.Após terem escapado da CRAH, Wren e Callum estão prontos para recomeçar a vida em paz, na reserva Reboot. Mas Micah, o Reboot que comanda o local, tem planos malignos em mente: dizimar os humanos da Terra. Micah vem construindo um exército Reboot há anos, e finalmente está pronto para iniciar ataques às cidades. Agora que fugiram, Wren e Callum precisam decidir se ficam ao lado de Reboots ou se abandonam tudo e vivem longe da guerra. Aos poucos, os dois percebem que só há uma alternativa: precisam se tornar rebeldes.




Mais um livro maravilhoso dessa leva que recebi da Galera no último mês.

Essa é uma série distópica em que a população foi dizimada por um vírus, mas os humanos começam a retornar da morte e passam a ser chamados de Reboot e quando mais tempo eles demoram para retomar, menos humanidade possui, mais força e velocidade vai ter. 

No primeiro livro Reboot, conhecemos Wren Connolly, mais conhecida como a 178, ela é reboot mais forte e temida da cooporação CRAH e por isso pode escolher quem quer treinar a cada leva de reboot que chega. Ela procura sempre escolher os de numero mais alto, pela chance de terem mais sucesso nas operações, mas quando um 22, de nome Callum, chega chamando a sua atenção, ela resolve treina-lo. 

Depois de algumas situações, Wren e Callum escapam da CRAH e tentam recomeçar a vida na reserva Reboot, só que Micah, o reboot que comenda o local tem planos diferentes do que os jovens pensavam. Micah esta construindo um exército reboot há anos e agora quer promover ataques para destruir a CRAH e os humanos. E Wren e Callum precisam decidir em qual lado ficar.



Rebelde mantém a narrativa em primeira pessoa, mas diferentemente do primeiro livro, Rebelde tem a narrativa intercalada entre Wren e Callum, o que eu a princípio achei desnecessário, pois gostava muito da narrativa exclusiva da Wren, mas acabou que em alguns momentos, tornou-se necessário saber o que o Callum pensava. 

O livro apresenta um enredo original e eletrizante, com grandes aventuras e um toque especial de romance. Eu gosto como Amy consegue equilibrar tão bem o romance com a ação do livro. O foco é a distopia e o romance não tira esse foco, apesar de ser o que mais me interessou no livro, foi inevitável.

É uma duologia, com o enredo bem curto e por isso algumas coisas ficaram corridas, o livro facilmente poderia ter muitas páginas extras, creio que até um livro extra para complementar o final, que apesar de tudo, foi bem agradável. 

Esse foi um livro que me proporcionou grandes emoções, fiquei apaixonada por Wren e Callum, mas também sofri com os acontecimentos. Callum que antes era um personagem que eu não gostava, sempre o achei muito irritante, dessa vez ganhou o meu coração por deixar o caráter acima de qualquer coisa. 

 Rebelde é uma distopia fantástica e vou sentir falta desse enredo sensacional. Gostaria muito que a autora fizesse um livro extra para nos contar o que aconteceu depois de tudo. 

A capa tem o mesmo padrão do primeiro livro e a revisão perfeita como sempre. 




Um comentário

  1. Hello!
    Essa série é distópica, mas até diferente né? Gostei!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D