Resenha - Filha das Trevas - Kelly Keaton

Ano: 2016 / Páginas: 288
Idioma: português
Editora: Galera Record

Ari se sente perdida e solitária. Com olhos azul-esverdeados e cabelos prateados esquisitos, que não podem ser modificados nem destruídos, sempre chamou a atenção por onde passava. Depois de crescer em casas adotivas, tudo o que quer é descobrir de onde veio e quem ela é. Em sua busca por respostas, encontra uma mensagem escrita pela mãe morta há muito tempo: fuja. A garota percebe que precisa voltar para o local de seu nascimento, Nova 2 — a cidade luxuosa, que foi inteiramente remodelada —, em Nova Orleans. Lá, ela é aparentemente
Ari sempre se sentiu deslocada onde quer que fosse; com seus olhos esverdeados e cabelos prateados (que mesmo que ela pinte, misteriosamente volta a ser prateado), ela sempre se sentiu uma aberração entre as outras pessoas.

Ari é órfã e, em busca de respostas sobre o que aconteceu com sua mã, ela acaba indo parar em Nova 2, uma cidade misteriosa que acreditam abrigar seres sobrenaturais. Lá, ela conhece outras pessoas que se sentem deslocadas como ela e começa a descobrir mais sobre seu passado e sobre uma maldição que assola sua família.

Filha das Trevas me pegou de surpresa. Só depois de começar a ler foi que descobri que o livro é o primeiro de uma série que eu sempre quis ler (por causa da troca da capa, eu não percebi) e fiquei bastante surpreso sobre o enredo, que é bem diferente do que eu imaginava.

O livro é bem misterioso e prazeroso de ler. Mesmo trazendo elementos já clichês em livros de fantasia, a autora consegue dar seu toque pessoal à trama, o que foi maravilhoso. Além de tudo, a autora tem uma escrita muito fluida, o que torna a leitura fácil de pegar ritmo e se prender. O enredo é cheio de segredos que instigam o leitor a ler para descobrir o que vai acontecer e o final deixa o leitor ansioso para ler a continuação.

Algumas coisas poderiam ter sido mais bem exploradas, mas por o livro ser relativamente pequeno, espero que a autora trabalhe melhor essas coisas nos próximos livros (são 4). Mas, em suma, Filha das Trevas é uma ótima fantasia, cheia de mistérios, ação e um bom romance. Perfeito para quem gosta de um bom YA sobrenatural.

Leitura recomendada :)

Resenha - Cinder & Ella - Kelly Oram

Ano: 2016 
Páginas: 304
ISBN: 978-8584421633
Idioma: Português 
Editora: Pandorga

Leia a sinopse aqui. 

(...) O problema com os contos de fadas é que a maioria começa com uma tragédia. Entendo o raciocínio atrás disso. Ninguém gosta de uma heroína mimada. Um grande personagem necessita de adversidades para superar - experiências que lhes dê profundidade, que lhes façam vulneráveis, próximos e agradáveis. Os bons personagens precisam de sofrimentos que lhe façam fortes. A ideia tem sentido, mas mesmo assim é ruim se você for a heroína (...).


Tomei vergonha na cara e vou soltar minha resenha desse livro que me tirou da minha zona de conforto em 2015. Esperei sair a confirmação de que iria ser publicado no Brasil, aconteceu e fiquei enrolando para passar do caderninho para o Word. 

Ella (18 anos) é jovem bonita com uma vida comum, sem emoções, sem tragédias. Seus pais são separados, e ele causou-se novamente enquanto que Ella vive com a mãe, considerada como sua melhor amiga. Durante uma viagem de comemoração, Ella vê sua vida modificada completamente, quando digo completamente é verdade. Uma tragédia abalará sua vida e nada será como antes. Ela terá que conviver com o pai, sua madrasta e as filhas dela. 

No decorrer do livro conheceremos a protagonistas e uma coisa interessante, ela é uma blogueira, faz resenhas de livros, filmes. Assim como muitos leitores ama intensamente os livros, histórias e os defendem como uma leoa defende a sua cria. Compra briga e tudo, principalmente com seu amigo, Cinder. Foi através do blog que ela o conheceu. Eles nunca se viram pessoalmente nem virtualmente por webcam, mas trocam mensagens via e-mail. E são essas conversas que possuem o poder de tornar sua vida divertida após o acidente. Cinder é aquele tipo de amigo que você quer pra vida, alegre, companheiro. E você perceberá como uma simples mensagem é capaz de arrancar um sorriso, deixar uma pessoa feliz. 

(...) A leitura era uma paixão que Cinder e eu compartilhávamos. Líamos livros e os discutíamos todo o tempo. (...)

O livro é narrado em primeira pessoa. A maneira como Ella se expressa é divertida, jovem, característico de uma adolescente, mas não aquelas adolescentes chatas. Okay, em alguns instantes você quer dá uma sacudida nela, só que se analisarmos a situação, não é algo relevante. Tudo o que passou e irá passar, eu não sei se eu seria capaz de me reerguer, todo trauma, pesadelos. Essa é uma história de superação e parabenizo a autora, as situações apresentadas podem acontecer com qualquer pessoa. 

Kelly Oram une realidade e conto de fadas, tem a madrasta, as irmãs. Pitadas de conto de fadas contemporâneo. Ela soube dosar ficção com realidade. Vivenciaremos várias fases da vida da personagem, o pós-acidente, a adaptação em retornar a conviver com o pai e uma nova família, eu não quero comentar muito para não soltar spoilers. É um livro com personagem forte, mas  como todo ser humano passa por recaídas. 

Eu sou bem sensível e no primeiro capítulo já sofri abalos, você consegue sentir ou imaginar os sentimentos dela, a raiva que sente do pai, o medo. Isso vai de cada pessoa, algo subjetivo. Em alguns momentos tive raiva do pai, mas sei que ele queria o melhor para a filha. Percebi que a nova família importava-se bastante com a aparência e o que os outros pensam deles, bens materiais. A sensação que tinha era um pai tentando compensar o tempo perdido com bens materiais. Nossa, mas esse livro só é tristeza? Não! Tem romance fofo, mas cabe a você descobrir quem é o Cinder. HAHAHA. (Não fiquem bravos(as) comigo).

Cinder & Ella é um livro com muita carga sentimental, não é um simples conto de fada, OK? Trabalha questões familiares entre pai e filha, a dificuldade de não nos aceitarmos como somos, fala de superação, aprendizado. De seguir em frente mesmo que estejamos tristes. A autora demonstra como é difícil um pós-acidente, a readaptação, a rotina. Esse livro fala também sobre o perdão, saber perdoar e amar sem medidas. Tive momentos de raiva, frustração, mas momentos felizes. Ele não é triste (não para minha pessoa). Você conseguirá tirar várias lições, poderia continuar enumerando várias, porém a resenha já está enorme.


(...) Se você se sentir linda, então parecerá linda para os outros sem importar o que há na superfície. (...)



 + 


  

Resenha - Winter - Marissa Meyer

Ano: 2016 / Páginas: 688
Idioma: português
Editora: Rocco Jovens Leitores

Bestseller do The New York Times, a série Crônicas Lunares conquistou os leitores com sua releitura high-tech de contos de fadas tradicionais. Depois de Cinder, Scarlet e Cress, inspirados, respectivamente, nas histórias de Cinderela, Chapeuzinho Vermelho e Rapunzel, Marissa Meyer entrega a eles o último capítulo da série, em que reconta a história de Branca de Neve com tintas distópicas. Na trama, a princesa Winter vive subjugada por sua madrasta, Levana, que inveja sua beleza e não aprova os sentimentos da jovem pelo amigo de infância e belo guarda real Jacin. Mas Winter não é tão frágil quanto parece, e, junto com a ciborgue Cinder e seus aliados, a jovem princesa é capaz de iniciar uma revolução e vencer uma guerra que já está em andamento há muito tempo. Será que Cinder, Scarlet, Cress e Winter podem derrotar Levana e encontrar seus finais felizes?

Esse quarto livro da série Crônicas Lunares foi inspirado na história da Branca de Neve e conta a história de Winter, a princesa de Luna e enteada da insuportável da rainha Levana que vive perturbando a enteada e morre de inveja de sua beleza impressionante. Winter nunca usa o glamour, e por isso sofre da doença lunar, que a provoca alucinações. 

Winter é mais corajosa do que parece e acaba se juntando a Cinder e seus aliados para começar a revolução Lunar e colocar no trono a rainha por direito, Cinder. 

Essa é uma série que apesar de baseada nos tradicionais contos de fada, em nada se assemelha a eles, é um enredo repleto de aventuras, muita ação e inúmeras batalhas. É um livro em que o romance definitivamente não é o foco. A revolução é épica e o reinado de Levana esta chegando ao fim. 

Marissa Meyer tem um dom incrível de criar enredos geniais, originais e talvez surreais, você fica pensando em como uma pessoa conseguiu pensar em tudo aquilo. É uma história de ficção única e incrível, o que torna a leitura viciante e apaixonante, é impossível não se deixar conquistar pela série como um todo. 

De certo esse não foi o meu livro preferido e minha personagem preferida continua sendo Cinder. No entanto, amei a amizade que criou-se entre Scarlet e Winter <3 Scarlet, no começo, acha que não pode confiar em Winter, afinal a princesa tem certos rompantes de loucura e esta muito próxima a rainha Levana, mas acho que no final a confiança impera e surge uma forte amizade. 

Winter é apaixonada por Jacin, um guarda real, o protetor de Winter nos momentos de dificuldade desde a infância, mas ele acha que não esta a altura dela, por ela ser uma princesa e apesar de ser completamente devoto a Winter, não quer deixar a paixão tomar conta. No fim, achei meio pombo esse romance.

Acredito que Marissa tenha conseguido encerrar a série de uma maneira espetacular e de certo modo conseguiu sem deixar pontas soltas. 

O ponto chave dessa série, além da originalidade, é o valor que a autora dá a amizade e eu gosto bastante quando em séries desse gênero, o romance deixe de ser prioridade e a autora foque nesse sentimento tão altruísta, é incrível como os personagens dão valor a amizade e não medem esforços para ajudar o outro. 

Toda a ambientação da série é fantástica e acho que só lendo para ter tal consciência. A evolução dos personagens ao longo da série foi palpável e gosto disso, odeio quando o autor acaba se perdendo no meio da série e levando para o buraco os personagens. 

Resenha - Por Um Toque de Sorte - Carolina Munhóz


Ano: 2016 / Páginas: 304
Idioma: português
Editora: Fantástica Rocco

De Dublin a Paris, Rio de Janeiro e Hollywood, eles estão por toda parte. São os donos das marcas que você usa, comandam os canais de televisão a que você assiste, criam os aplicativos de celular que você baixa. No segundo livro da série Trindade Leprechaun, iniciada com Por um toque de ouro, Carolina Munhóz dá continuidade à história da jovem Emily O’Connell, uma garota bonita e rica, dona de um império fashion, que descobre ser herdeira de uma rara linhagem desses pequenos seres mágicos considerados guardiões de potes de ouro escondidos. Ela só não esperava que esse legado sobrenatural pudesse levá-la para o centro de um esquema perigoso e cruel. Em “Por Um Toque de Sorte”, Emily deixa seu mundo de glamour para trás em busca de um impostor que rouba toques de ouro. Será que ela será capaz de cumprir sua jornada? Isso ela só vai descobrir no final do arco-íris. Se chegar até lá.

// CONTÊM SPOILER DE "POR UM TOQUE DE OURO"

No primeiro livro da Trindade Leprechaun, Emily O'Connel teve sua vida virada de cabeça para baixo ao descobrir que é um Leprechaun, um ser com o dom da sorte, mas tudo foi por água abaixo quando seus pais foram assassinados e o seu dom foi roubado por alguém que dizia gostar dela.

Em Por Um Toque de Sorte, Emily junta forças com um novo aliado e decide ir atrás daquele que a enganou e fazê-lo pagar por tudo, para poder assim resgatar seu Toque e vingar a morte dos seus pais. De Paris ao Rio de Janeiro, Emily embarca numa aventura para salvar seu poder e honrar seu nome, na qual ela descobrirá mais sobre si mesma e sobre o que ela é.

"Ninguém a impediria de seguir seu caminho."

Carolina Munhóz é uma das autoras (mulheres) nacionais que mais admiro: seus livros são sempre cheios de criatividade e com premissas incríveis. Essa trilogia chamou minha atenção pelo tema inovador: Leprechauns! Nunca havia lido nada sobre eles, nem mesmo em autores estrangeiros, e devo dizer que gostei bastante da ambientação que a Carol fez nos livros. Desde o primeiro livro, já havia gostado dos seres, mas nessa continuação a autora se aprofundou bastante na história dos Leprechauns. Isso, pra mim, foi maravilhoso.

Emily sempre foi uma garota confiante e determinada e nesse livro ela está bem mais. No final do primeiro, ela se mostrou bem decidida do que fazer e agora provou que cumpre o que diz. Ela é uma garota forte e corajosa, que não tem medo de fazer ou falar nada. Gosto da Emily <3 Os demais personagens não me encantaram tanto quanto ela, tanto os já conhecidos quanto os novos, mas ainda assim são legais. 

Uma coisa que me incomoda um pouco nos livros é por serem um tanto superficiais; a narrativa foca bastante em marcas e coisas que mostram riqueza. Eu sei que isso é explicado pelo fato de Leprechauns serem sempre ricos e tudo mais, mas foi uma coisa que me incomoda um pouco e eu achei justo comentar. 

Eu achei esse segundo livro um pouco melhor que o primeiro e estou bem curioso em relação ao desfecho da série. Para quem gosta de uma boa história, que mescla romance, aventura e fantasia, a Trindade Leprechaun é boa pedida. Leitura recomendada!


Resenha - Criaturas Estranhas - Neil Gaiman




ISBN-10: 8568263445
Ano: 2016 / Páginas: 400
Idioma: português
Editora: Fantástica Rocco

Dezesseis histórias fantásticas, algumas escritas há mais de cem anos, outras inéditas, selecionadas por ninguém menos que o aclamado autor de Coraline e outros tantos sucessos, Neil Gaiman. Como o título sugere, Criaturas estranhas é uma coletânea de contos povoada por seres fantásticos, magníficos e às vezes assustadores. Assinadas por autores clássicos de ficção científica e fantasia, como Anthony Boucher e Diana Wynne Jones, a escritores contemporâneos, como Nnedi Okorafor e o próprio Gaiman, as histórias, que parecem ter saído de um sonho, ou talvez de um pesadelo, têm em comum o olhar atento e único de Neil Gaiman para o insólito. Cada conto é precedido de um comentário do escritor, que visa a provocar ainda mais a imaginação do leitor.

Criaturas Estranhas é uma antologia fantástica de contos selecionados por Neil Gaiman. Se você ainda não conhece o Gaiman (e eu sugiro que procure conhecer), saiba que ele é um dos maiores nomes da literatura mundial atualmente. Gaiman já escreveu romances, contos, livros infantis... de tudo um pouco, e tudo contribuiu para os diversos prêmios que o autor já recebeu. Ele é autor de Coraline (que eu amo), um livro super conhecido e querido, cuja adaptação todos amam haha Gaiman é maravilhoso, então não é de se esperar menos que isso dessa antologia.

Em parceria com Maria Dahvana Headley (autora de Magônia), Gaiman selecionou diversas histórias sobre criaturas que vivem apenas na nossa imaginação: sereias, lobisomens, pássaros míticos.... Ao total, são 16 histórias (incluindo a do Gaiman e a da Maria) que narram o sobrenatural e trazem à tona as mais diversas criaturas imaginárias, desde as conhecidas, como grifos, manticoras e serpentes, até outras totalmente inventadas pelos autores, como uma mancha que desaparece e cresce sempre que alguém tira os olhos dela e um pássaro que muda todo um reino sempre que ri.

Gostei especialmente de dois contos, que são:

O Grifo e o Cônego Menor, de Frank R. Stockton. O conto tem uma aura de fábula infantil e é deliciosamente bem escrito. Eu fiquei encantado com o conto, que fala sobre um grifo que decide visitar um povoado próximo para ver uma estátua de pedra dele que fica sobre uma igreja. Todos ficam com medo do grifo e a história acaba se desenrolando a partir do medo delas. É um conto incrível com uma lição importante :D

Ozioma, A Maligna, de Nnedi Okorafor. A história me prendeu bastante por ter um estilo meio YA e eu acho que daria um livro e tanto! O conto fala sobre Ozioma, uma garota que sofre preconceito por saber falar com as cobras, até que uma cobra imensa desce dos céus disposta a matar quem aparecer pela frente e ela decide enfrentá-la para salvar o seu povo. Adorei muitoo esse conto.

Os demais contos também são ótimos. Alguns achei divertidos, outros bem criativos e surpreendentes. Apenas um em especial, As Vespas Cartógrafas e as Abelhas Anarquistas, achei um pouco tedioso e nem sei se entendi direito. Foi o que eu menos gostei. 

Um fato interessante sobre a antologia é que nem todos os autores são "novos". Alguns estão, sim, no início da carreira, mas boa parte são autores já conhecidos, muitos dos quais são inspirações para o próprio Gaiman e eu adorei isso. A antologia, além de ser incrível, mostra que boas histórias e bons autores não ficam para trás com o passar dos anos.

Para quem gosta de boas histórias, cheias de fantasia e lições para se levar para a vida, Criaturas Estranhas é um prato cheio. As criaturas são apenas o começo dos segredos a serem desvendados!

A edição do livro ficou impecável! A capa é linda, a diagramação é cheia de ilustrações e com uma fonte maravilhosa e o formato final ficou divino <3 A Rocco mandou bem!