Resenha - Ligeiramente Perigosos - Mary Balogh

Ano: 2017 / Páginas: 304
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção. Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente. Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida. Em Ligeiramente Perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.
Desde o primeiro livro da série Os Bedwyns eu já estava ansiosa demais pelo livro do Wulfric e graças ao Senhor não me decepcionei em nada. 

Como dito, Ligeiramente Perigosos conta a história de Wulfric Bedwyn, o duque de Bewcastle, um homem turrão, frio, de nariz em pé e que coloca medo em qualquer um só com o levantar de sobrancelhas. Wulfric é um duque reservado e raramente comparece a eventos sociais, até que um dia ele resolve ir a um evento que vai durar duas semanas e lá conhece Christine.

Christine é uma viúva, filha de um falecido professor da região e leva uma vida bem simples. Sua amiga Melanie a convida para uma festa em sua propriedade, festa em que ela conhece Wulfric. Christine é muito alegre e extrovertida, porém sempre capaz de atrair desastres para si e se metendo em muitas confusão. 

Wulfric fica curioso com Christine e descobre que sente uma enorme atração por ela, mas Christine não se deixará seduzir tão fácil. 

AMEI! É a primeira coisa que eu posso dizer desse livro, eu sempre soube que Wulfric iria me surpreender e ele o fez. Amo como ele é mal humorado, turrão e cheio de ironias, os diálogos dele sempre eram os melhores do livro, me peguei dando altas risadas no meio da madrugada. 



Mary Balogh conseguiu criar a mulher perfeita para Wulfric, alguém capaz de não se intimidar pelo seu olhar frio e por sua personalidade difícil de lidar.

Christine é uma mulher de personalidade muito forte, mas as vezes ela chega a ser irritante de tão teimosa, o que não impediu de Wulfric de continuar insistindo com ela. Gostei de como o romance surge entre eles, aquela troca de olhares de desperta curiosidade, as conversas, as caminhadas a sós, tudo vai surgindo de maneira bem calma e real. 

Christine esconde de todos o que aconteceu no seu passado e Mary só nos revela os segredos bem para o final do livro e gostei disso. Contudo, eu já desconfiava o que era que Mary tentava esconder e na verdade essa previsibilidade não me deixou chateada, acho que o livro não poderia ter tido outro caminho a não ser o que tomou.



Ligeiramente Perigosos tem uma narrativa deliciosa, assim como todos da série e acho que isso foi o que me fez ficar tão apaixonada pelas coisas que a Mary escreve, foi muito feliz poder rever todos os personagens dos livros anteriores, é muito personagem incrível pra uma série só e a família dos Bedwyn com certeza é uma das melhores famílias literárias. 

A série foi finalizada com sucesso fica como um dos meus romances de época preferidos. A título de comparação esse foi o meu livro preferido da série, ao lado de Ligeiramente Escandalosos. 

Recomendo muito o livro e só tenho a agradecer a editora pelo belíssimo trabalho com a tradução, revisão, diagramação e pela capa linda. Sentirei falta dessa família tão aconchegante. 





Um comentário

  1. Uma das resenhas mais empolgante que ja li rsrsrs vc lê a resenha e dar vontade de sair correndo pra comprar o livro e já iniciar a leitura,
    Concordo plenamente com vc ,a família Bedwyn é uma das famílias de romances de épocas preferida,e ja desde o primeiro livro vc fica com vontade de querer logo ler a estória do wulfric,será uma das minhas próximas leituras rsrsrs só ta faltando o livro, mais o dia das mães está chegando e com ela que haja vários promoções

    ResponderExcluir

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D