Resenha - A Rosa e a Adaga - Renée Ahdieh

Ano: 2017 / Páginas: 366
Idioma: português
Editora: Globo Alt

A esperada continuação de A Fúria e a Aurora, inspirado no clássico As mil e uma noites Sherazade chegou a acreditar que seu marido, Khalid, o califa de Khorasan, fosse um monstro. Mas por trás de seus segredos, ela descobriu um homem amável, atormentado pela culpa e por uma terrível maldição, que agora pode mantê-los separados para sempre. Refugiada no deserto com sua família e seu antigo amor, Tariq, ela é quase uma prisioneira da lealdade que deve às pessoas que ama. Mas se recusa a ficar inerte e elabora um plano. Enquanto seu pai, Jahandar, continua a mexer com forças mágicas que ele ainda não entende, Sherazade tenta dominar a magia crescente dentro dela. Com a ajuda de um tapete velho e um jovem sábio e tempestuoso, ela concentrará todas as suas forças para quebrar a maldição e voltar a viver com seu verdadeiro amor.


Sherazade acreditava que Khalid era um monstro, mas ao se casar com ele e conhecer seus segredos mais íntimos, ela descobriu um homem apaixonado e muito honrado, mas que carrega um fardo de uma maldição que o atormenta. Sherazade foi embora do castelo ao ser sequestrada por um antigo amigo, Tariq, ela agora vive refugiada no deserto com sua família e pessoas que querem fazer mal a Khalid. A nossa jovem heroína vai agora reunir forçar para tentar quebrar a maldição de Khalid e salva-lo do que ainda esta por vir.

Quando todo mundo começou a falar desas duologia maravilhosa e dizer que o primeiro livro era de tirar o fôlego, eu decidi que só que começaria a ler quando os dois livros estivessem publicados e foi o que eu fiz. Assim que terminei a leitura de A fúria e a Aurora, engatei nessa continuação que foi igualmente maravilhosa.

A rosa e a adaga não é um livro tão romântico quanto o primeiro, as cenas entre Sherazade e Khalid diminuíram para dar espaço a mais cenas de ação. Essa continuação é um livro repleto de ação e aventura e por incrível que pareça eu vou ter que assumir que ficou maravilhoso.

Foi muito bom poder acompanhar o crescimento de Sherazade, ver como a magia começa a surgir em seu íntimo e como ela vai aprendendo a lidar com isso. Foi interessante conhecer histórias antigas e mergulhar na cultura árabe. 






























Esse livro tinha cenas tão reais que eu realmente me senti no lugar de Sherazade conhecendo todas as coisas, foi uma sensação inquietante e deliciosa.

A narrativa se mantém, assim como o primeiro, surpreendemente prazerosa e fugaz. Por essa duologia nota-se como Renée é uma exímia escritora, nos apresentando um enredo singular e muito bem conduzido, uma narrativa que prende o leitor ao livro do começo ao fim.

Sherazade é uma heroína de personalidade forte e disposta a enfrentar tudo por aqueles que ama, fui conquistada por seu jeito de não abaixar a cabeça para ninguém, sua força de vencer os obstáculos e não fraquejar, sua delicadeza para lidar com o sofrimento dos outros. Sem pestanejar, digo que ela é uma das melhores heroínas que já encontrei nos livros.

Khalid é outro personagem incrível e quando eu pensava que não poderia me apaixonar mais ainda por ele, isso aconteceu. Foi difícil ver o sofrimento dele por ter que se manter longe de Sherazade, esse personagem despertou em mim todos os sentimentos que o livro carrega, e foi gratificante por sentir tantas coisas.

Por isso, digo, essa duologia não é só mais um material de fantasia, são livros que possuem sua particularidade e se destacam em meio a tantos outros no mercado, Renée te faz mergulhar na cultura árabe com esse enredo inspirado na história de mil e uma noites, é sem dúvidas uma leitura única.

Recomendo muito essa leitura para qualquer pessoa que adora uma fantasia com um toque de romance, tenho certeza que você encontrará o diferencial que, aos meus olhos, fazem desse livro uma leitura ímpar.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Olá, agradeço pela sua visita. Deixe seu cometário também :D